Vem sendo recorrente com o passar dos anos o estresse em idosos, mas poucas pessoas sabem disso e como lidar da melhor forma essa situação. Principalmente em como conduzir ou auxiliar no controle das reações geradas pelo idoso, por isso, neste artigo iremos abordar como identificar e apresentar a você uma forma mais adequada para se comportar em momentos assim.

Um dos problemas que desencadeiam esses sintomas está ligado diretamente a aposentadoria devido as grandes mudanças no dia-a-dia, ocasionando uma reflexão e um sentimento de inutilidade. Especialmente para aqueles que seu trabalho era o seu único motivo de existência, e tendo como consequência a depressão, crises existenciais, adoecer, entre outras.

Outro fator considerável que pode induzir ao estresse na terceira idade, está ligado diretamente ao estilo de vida como, fumo, alcoolismo, hábitos alimentares impróprios e problemas familiares. São alguns aspectos ligados e se acaso se acumularem com o decorrer do tempo, pode surgir e refletir na vida do idoso de modo formidável.

Além de enfermidades crônicas, a perda de cônjuge, insônia e mudanças financeiras, o estresse crônico pode acarreta no risco de doenças cardiovasculares, azia, ou até mesmo agravar o quadro de diabetes e elevar a hipertensão arterial. Segundo a Escola de Medicina de Harvard (Harvard Medical School), entre os sintomas do estresse estão:

-Dores de cabeça;

-Dor nas costas;

-Indigestão;

-Palpitações cardíacas;

-Baixa concentração;

-Indecisão;

-Irritabilidade;

-Nervosismo.

Como controlar o estresse?

Devido a série de circunstâncias é importante saber quais ações podem ser tomadas ao identificar essas situações. Primeiramente, é recomendável procurar um tratamento médico caso alguns destes sintomas sejam notados ou estejam se agravando para corrigir o comportamento autodestrutivo e pensamentos negativos. Confira abaixo outras recomendações divulgadas pela Escola de Medicina de Harvard:

-Não ignorar os sintomas;

-Praticar atividade física regularmente. Em caso de limitação física, o médico deve ser consultado sobre quais tipos de exercícios são recomendados;

-Participar de grupos e treinamentos com o intuito de ajudar a identificar desejos e a lidar com conflitos;

-Ter um animal de estimação. Estudos abordam os efeitos da redução do estresse ao ter um cão, gato ou outro companheiro animal no seu dia-a-dia;

-Participar de um programa que trabalhe corpo e mente, existem programas que são desenvolvidos especificamente para idosos.

E lembre-se, não são somente os jovens que são abalados pelo estresse em algum momento da sua vida, muitos idosos também estão ficando estressados constantemente e não tem conhecimento disso. Por essa razão, e após essas dicas, agora você poderá auxiliar um parentesco ou até mesmo quando identificar um idoso estressado.

Por fim, vale ressaltar que, mais do que os anos de vida, uma pessoa envelhece devido a carga de estresse na qual foi ou é submetida por um longo período e consequentemente retirando sua energia. Então, anote esta última dica: Dê ouvidos à eles. Ter pessoas com quem conversar e cultivar amizades também contribuem e impendem os sintomas. Seja esse alguém.