“Avô, Avó, nome mais doce que brigadeiro.

A segurança do abraço quente, do colo que aconchega.

A conversa longa, sem pressa.

A compreensão do olhar aflito, o beijo terno, a bronca…

A mão segura de quem já viveu o bastante.

A cama feita. A benção certa no amanhecer.

A criança doce, viva nas lembranças.

Aquele que ensina os primeiros passos, que brinca, que corre junto…

Avó, o cheiro vindo da cozinha, hmmmmmm.”

Assista o vídeo especial do Dia dos Avós, produzido em 2017, no Residencial Em Família Villagio 2, contando com a presença de crianças do Projeto Fazendo a Diferença que promoveram atividades ocupacionais e muita interação para com os idosos. Além disso, apresenta uma série de depoimentos emocionantes dos funcionários, familiares dos hóspedes e da representante do Projeto, Keyko Nabeshima. Confira!

Por que é comemorado o Dia dos Avós?

Graças a audácia da portuguesa Ana Elisa do Couto (1926-2007), mundialmente conhecida como Dona Aninhas, de Penafiel, cidade com aproximadamente 15 mil habitantes na região do Porto. Nos anos 80, ela decidiu ser missionária da causa porque não notava o reconhecimento merecido aos avôs e avós, e esteve em países como Brasil, Canadá, Estados Unidos, França, Alemanha, Espanha, Suíça África do Sul e Angola defendendo a causa.

Avó de quatro netas e dois netos, o dia 26 de julho se tornou reconhecido como Dia dos Avós em Portugal, data também celebrada no Brasil. Isso por conta de um forte motivo, quando a Igreja Católica celebra São Joaquim e Santa Ana, pais de Maria, avós de Jesus. Atualmente Dona Aninhas tem uma placa afixada em praça pública na terra natal.